Página inicial

Acerca do CCAHD

Declaração da missão

Trabalhar para a sustentabilidade a longo prazo da população do golfinho-corcunda-do-atlântico (Sousa teuszii) e dos seus habitats, através da investigação, da consciencialização, do desenvolvimento de capacidades e da ação.

O CCAHD:

O Consórcio para a Conservação do golfinho-corcunda do Atlântico (CCAHD) actua como uma organização que reúne organismos internacionais de gestão da conservação, cientistas de cetáceos de todo o mundo e um número cada vez maior de organizações e indivíduos dentro dos países onde se encontra o golfinho-corcunda do Atlântico, que se encontra em Perigo Crítico. O objectivo do CCAHD é fornecer aconselhamento sólido para a conservação do golfinho-corcunda do Atlântico. O Consórcio organiza actualmente o seu trabalho através de grupos de trabalho. Estes foram estabelecidos para avaliar e prioritizar as acções necessárias para implementar projectos de conservação no terreno, e para criar os recursos e capacidades necessárias para que as partes interessadas locais se envolvam na investigação, monitorização, sensibilização e planeamento da conservação. O resultado da prioritização sistemática das  ações de conservação por parte destes grupos de trabalho pode ser encontrado neste relatório.

 

Antecedentes

O CCAHD foi criado em resposta à crescente preocupação com o declínio do estatuto de conservação da espécie nas últimas décadas. A formação do CCAHD em Junho de 2020 foi motivada por vários eventos, incluindo:

  • A elevação do estatuto de conservação da IUCN do golfinho-corcunda do Atlântico de Vulnerável para em Perigo Crítico em 20171;
  • Uma reunião de cientistas de cetáceos na Conferência Mundial de Mamíferos Marinhos em Barcelona, em Dezembro de 2019, onde foi discutido como revigorar e dar prioridade aos esforços de conservação dos golfinhos-corcunda do Atlântico2;
  • O desejo de implementar as medidas de conservação e gestão recomendadas para a espécie pela Convenção sobre a Conservação das Espécies Migratórias (CMS): uma, pelo Grupo de Especialistas em Cetáceos da IUCN e pela Comissão Baleeira Internacional. Apesar de vários sinais claros de alerta de declínio do estatuto da espécie, poucos progressos foram feitos para a espécie durante o século XXI, sendo necessário um esforço concertado de colaboração para resolver este problema 3,4,5,6.

Parceiros nos países da distribuição da espécie

 Uma parte crítica do trabalho do CCAHD é apoiar os conhecimentos locais nos países da área de distribuição dos golfinhos-corcunda do Atlântico, estabelecer ligações com os governos desses países para melhorar o estatuto da espécies a nível nacional e aumentar a consciencialização geral sobre a espécie em cada país. A concretização destes objectivos depende de uma rede de parceiros locais e de pontos de contacto nacionais em todos os países da área de distribuição que estão já confirmados ou que tenham esse potencial.

A lista actual de membros e parceiros do CCAHD pode ser encontrada AQUI e mais informações sobre os pontos focais e o estado do conhecimento sobre os golfinhos-corcunda do Atlântico podem ser encontrados clicando em qualquer um dos países da área de distribuição no nosso mapa interactivo. O CCAHD acolhe com agrado o contacto de biólogos locais, ONGs ou indivíduos interessados em expandir esta rede e maximizar as oportunidades de conservação e colaboração.

Organizações Internacionais Afiliadas

 O CCAHD visa ajudar a implementar as prioridades de conservação identificadas por outros organismos internacionais centrados na melhoria do estatuto de conservação dos golfinhos-corcunda do Atlântico, incluindo:

  • União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) Grupo de Especialistas em Cetáceos (CSG): Uma iniciativa recente do CSG-Integrated Conservation Planning for Cetaceans (ICPC) visa desenvolver um plano de acção para cada uma das espécies e populações de golfinhos e botos mais ameaçadas, incluindo o golfinho-corcunda do Atlântico;
  • Convenção sobre a Conservação das Espécies Migratórias (CMS): uma Ação Concertada (CA) para o golfinho-corcunda do Atlântico foi adoptada pela CMS em 2017, e revista durante Fevereiro de 2020. A AC incluí a formulação de um Plano de Acção de cinco anos;
  • Comissão Baleeira Internacional (CBI): Através da sua Comissão Científica, a CBI tem feito repetidas recomendações de colaboração regional e investigação baseada na conservação para melhorar a compreensão do estatuto de conservação da espécie e enfrentar as presentes ameaças.

Organizações Internacionais

Doadores

Sócios

Referências

  1. Consórcio para a Conservação do Golfinho-Corcunda-do-Atlântico.
  2. Collins, T., Braulik, G.T. and Perrin, W. (2017). Sousa teuszii (errata version published in 2018). The IUCN Red List of Threatened Species 2017: e.T20425A123792572. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2017-3.RLTS.T20425A50372734.en. Downloaded on 07 October 2020.
  3. Conferência Mundial sobre Cetáceos Marinhos.
  4. Weir, C.R. and Collins, T. (2020). Potential short- and medium-term targets for the conservation of Sousa teuszii. Unpublished report, 29 January 2020. 3pp. Available from the CCAHD.
  5. Van Waerebeek, K., Barnett, L., Camara, A., Cham, A., Diallo, M., Djiba, A., Jallow, A., Ndiaye, E., Ould-Bilal, A.O.S. and Bamy, I.L. 2004. Distribution, status, and biology of the Atlantic humpback dolphin, Sousa teuszii (Kukenthal, 1892). Aquatic Mammals 30(1): 56-83.
  6. Weir, C.R., Van Waerebeek, K., Jefferson, T.A. and Collins, T. (2011). West Africa’s Atlantic humpback dolphin (Sousa teuszii): endemic, enigmatic and soon Endangered? African Zoology, 46: 1-17.
  7. Collins, T. (2015). Re-assessment of the Conservation Status of the Atlantic Humpback Dolphin, Sousa teuszii (Kükenthal, 1892), Using the IUCN Red List Criteria. In: Thomas A. Jefferson and Barbara E. Curry, editors, Advances in Marine Biology, Vol. 72, Oxford: Academic Press, 2015, pp. 47-77
  8. Weir, C., Leeney, R. and Collins, T. (2020). Reinvigorating conservation efforts for the Atlantic humpback dolphin (Sousa teuszii): A brief progress report. Paper SC/68B/SM07 presented to the International Whaling Commission, Cambridge, UK.
  9. Grupo Especializado em Cetáceos.
  10. Convenção sobre a Conservação das Espécies Migradoras da Fauna Selvagem.
  11. Planeamento da Conservação de Cetáceos integrado no Grupo Especializado em Cetáceos.